Comportamental

A versão mais feliz para o idoso. Faça acontecer!

a sua versão mais feliz

Tente imaginar em que época da vida está a versão mais feliz de você. Vamos fazer esse exercício juntos.

Dependendo da idade, é mais provável que ela esteja no passado — das lembranças- ou no futuro — dos sonhos. Infelizmente, é raro o caso em que a resposta coincide com a época atual, ou seja, hoje. Supondo que você irá viver até os 90 anos, onde estará a sua melhor versão? E por “melhor versão”, deixo a definição a seu critério.

O ser humano tem uma tendência a querer o que não pode ter no momento. Ouço muita gente dizer “como era bom ser criança” e expressar seu desejo de ter se mantido assim a vida toda. Ouço ainda mais pessoas condicionarem a felicidade a um emprego melhor, um salário melhor, a um príncipe encantado, um carro novo ou qualquer outro “sonho”. Eu faço isso e, certamente, você também. Aos 30 anos, sou mais do futuro e me pergunto se serei mais feliz quando for um professor titular doutor em alguma renomada escola de administração. Um dia espero responder sim para essa pergunta, mas até lá espero não morrer de ansiedade.

O passado e o futuro são ervas daninhas da felicidade. Elas trazem para o hoje, a melancolia de ontem e as expectativas de amanhã e, assim, o corrompe. Um nos leva a pensar que já vivemos a nossa melhor fase e que nada será tão bom quanto antes.

O hoje é diferente. Ele é uma página em branco esperando ser preenchido. É dolorido porque sentimos a consequência dos erros em tempo real. Por outro lado, é justo porque podemos rasurar e tentar de novo. E de novo. E de novo. Ao final, o que estiver naquela página será a base para versões futuras. A responsabilidade é enorme!

 a sua versão mais feliz

Os dinamarqueses, um dos povos mais felizes da Terra, costumam usar a expressão “lige nu” expressar o “agora”, mas com um significado mais forte implícito: “neste momento, mas provavelmente não por muito tempo. Uma grande razão pela grande satisfação com a vida é a baixa expectativa em relação a tudo, inclusive à própria felicidade. Eles têm menos chance de atribuir sua felicidade a um novo celular. O que eles precisam é do agora e isso eles já têm.

Um dos pontos altos de crer em algo, é que você lida com as dificuldades de um jeito diferente. Melhor, claro. Vinícius de Moraes dizia que “sofrimento é o intervalo entre duas felicidades”. E todo mundo sofre.

A vida é feita de altos e baixos, como batimentos cardíacos em um monitor. O único jeito de ter uma vida retilínea — em que nada acontece — é quando ela chega ao fim. Então, que bom que a vida é cheia de baixos que nos ensinam e altos que nos devolvem a alegria e motivação.

É saudável pensar que a melhor versão da gente ainda está por vir, mas é fundamental se sentir feliz com a de hoje

Mas como fazer para superar a sensação de que não estamos na nossa melhor versão? Aquele sentimento de que já vivemos o nosso melhor ou de que ainda não temos o suficiente hoje para ser realmente feliz? Confesso que ainda não descobri a fórmula, se é que existe, mas algo que me ajuda é demonstrar gratidão pelas coisas que tenho. Pela saúde, por ter a melhor mulher que eu poderia ter ao meu lado, pela harmonia que existe na minha família, pelas grandes amizades que construí e a saúde de todos eles. Há tanta coisa para agradecer que é possível escolher uma seleção nova todo dia.

 a sua versão mais feliz

Uma das maneiras de demonstrar mais gratidão é diminuindo a importância do material. Tentar levar uma vida mais frugal. E digo “tentar” porque é difícil. Principalmente hoje em dia, a época da ostentação. Um dos princípios que busco fundamentar a minha vida é que deve haver “um decréscimo diário, não um acréscimo”. É preciso eliminar o que não for essencial, e definitivamente um novo celular está longe de ser essencial.

O decréscimo diário é um exercício que recomendo a todos que queiram aliviar o peso da vida contemporânea, mas requer alguns sacrifícios como evitar pessoas materialistas e abrir mão de certos hábitos.

É saudável pensar que a melhor versão da gente ainda está por vir, mas é fundamental se sentir feliz com a de hoje. Temos tantas coisas para melhorar que precisamos de mais atualizações do que todos os apps juntos. O segredo é aproveitar a versão atual. Curtir do jeito que está, ao máximo, porque essa é garantida.

 a sua versão mais feliz

Lembre-se deste exercício no futuro: De tempos em tempos, pergunte-se qual a sua melhor versão. E a resposta deve ser, invariavelmente:

A de hoje, é claro!

fonte: O pequeno guru

Veja também no Portal AVôVó:

https://www.avovo.com.br/sorrir-diminui-os-niveis-de-estresse-e-ajuda-a-economizar-nas-despesas/

 

 

AnteriorPróximo
Claudio Mello
O Avôvó é um portal colaborativo criado especialmente e inteiramente dedicado a um público cada vez mais conectado: a terceira idade. Aqui, não só o idoso se sente em casa. Nosso objetivo é também levar conteúdo relevante para familiares, amigos e profissionais que cuidam dessas gerações que chegam à melhor idade redefinindo conceitos e com cada vez mais interatividade e independência, mostrando que idade é só um número.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *