NETOS

Relação entre avós e netos só traz benefícios e a ciência confirma

os avós na vida dos netos

Relação entre avós e netos só traz benefícios e a ciência confirma.

Veja abaixo algumas das ideias citadas nos estudos científicos:

“Teoria da Avó – História milenar”

Ou seja, de acordo com a teoria, por ajudar filhas e noras com as crianças, as avós as libertavam para que elas engravidassem novamente – o que tornava as mulheres idosas, de certa forma, responsáveis pelo crescimento populacional das tribos.

E, ao cuidar dos netos, as avós também permitiam que as mães saíssem para buscar comida, ou elas mesmas poderiam buscar alimento – o que gerava um sustento extra para a sobrevivência da comunidade.

Benefícios dos avós aos netos

Relação entre avós e netos

Segundo algumas pesquisas, netos que têm um laço emocional próximo com seus avós obtêm uma variedade de benefícios importantes para toda a sua vida.

Crianças que têm relacionamentos fortes com os avós são mais bondosas, generosas e com menores taxas de ansiedade e depressão no futuro. 

O envolvimento dos netos com os avós, de acordo com o mesmo estudo, também aumenta o desempenho escolar, a autoestima, a inteligência emocional e a fazer ou manter amigos.

Relação entre avós e netos só traz benefícios e a ciência confirma

James S. Bates * realizou um estudo sobre os efeitos dos avós perante suas famílias, no qual listou importantes fatos que avós proporcionam a seus netos:

Árvore genealógica:

Ajudam os netos a entender e interpretar a história da família.

Contam quem foram os avós dos avós, o que faziam, de onde vieram, assim por diante.

Mentores:

Ensinam e transmitem habilidades práticas e de conhecimento da vida.

Espiritual:

Oferecem conforto, encorajamento e conselhos.

Relação entre avós e netos

Caráter:

Se esforçam para nutrir e dar forma ao caráter e à personalidade de seus netos, para que se tornem membros éticos e responsáveis na vida em sociedade.

Recreação:

Tentam organizar, facilitar e participar de atividades de lazer com os netos.

Identidade familiar:

Encorajam fortes relações familiares e comportamentos interpessoais apropriados entre os membros da família.

Investimento:

Ajudam netos a se tornarem financeiramente autossuficientes na idade adulta.

Benefícios dos netos aos avós

Relação entre avós e netos

Avós que têm a oportunidade de estar com os netos, não apenas emocionalmente, mas também em contribuir com suporte funcional – como buscar de vez em quando na escola, ajudar com algo financeiro ou ainda cuidar das crianças para que os pais possam sair – demonstram ter mais saúde psicológica e menos depressão do que aqueles que não fazem isso.

De acordo com estudos, avôs que estão ativamente envolvidos na vida dos netos possuem melhor bem-estar do que os que são mais passivos.

E ainda, as avós que cuidam mais de seus netos têm um risco reduzido de sofrer Alzheimer e outros distúrbios cognitivos.

Segundo este estudo, o fato de cuidar dos netos dá aos mais velhos uma sensação de significado, identidade e finalidade, especialmente quando eles já deixaram de trabalhar.

Na análise, 72% dos entrevistados acham que “ser avô/avó é a coisa mais importante e satisfatória na sua vida” – citando esse papel como mais relevante que viagens ou segurança financeira.

Benefícios para pais na relação avós-netos

Relação entre avós e netos

O apoio dos avós ajuda os pais da criança em diversos aspectos, como a de ter com quem deixar o filho quando precisam sair, em caso de emergência, ou até mesmo para descansar um pouco.

Tirar férias sem os filhos pode ser uma boa ideia se as crianças puderem ficar com seus avós.

Receber ajuda dos avós dos filhos é sempre bom para aliviar o dia a dia e, assim, poder levar a maternidade/paternidade mais leve e menos estressante.

Avós maternos e paternos

Relação entre avós e netos

Será que, cientificamente, há alguma diferença de efeito entre avós maternos e paternos na criação dos netos?

Foi constatado que o envolvimento de avós maternos teve um impacto significativo na sobrevivência e bem-estar de seus netos, como por exemplo, em reduzir a taxa de mortalidade das crianças pela metade.

Na mesma análise, surpreendentemente, a presença do pai teve apenas um pequeno efeito perante o desenvolvimento infantil. Já o envolvimento de avós paternos também teve uma influência saudável, embora fosse mais variável.

Estes estudos, apontam para os avós maternos em assumir um papel maior na assistência aos netos, devido, entre alguns fatores, estarem mais seguros de sua ligação genética com essas crianças, como também ao fato de muitas vezes a nora não ter proximidade com os sogros, o que dificulta a relação dos avós paternos com os netos. 

O maior envolvimento das avós maternas com seus netos também pode estar relacionado ao vínculo único existente entre mães e filhas.

Tanto avós maternos, quanto paternos influenciam e ajudam seus netos de maneiras diferentes. Por exemplo, esses estudos apontaram que a maior proximidade com as avós maternas faz aumentar as chances de sobrevivência das crianças, enquanto que o maior envolvimento com as avós paternas faz crescer a taxa de natalidade.

Já a relação dos avôs com os netos, embora não tenha sido ainda tão estudada, traz benefícios para a sobrevivência das crianças não perante a um papel prático na criação (como ocorre com as avós), mas a ensinamentos importantes de habilidades e valores.

* Sobre o Dr. Bates

Em 2002, ele se formou na Universidade Brigham Young com um diploma de bacharel em casamento, família e desenvolvimento humano. Depois de trabalhar por um ano como Coordenador Assistente de Serviço Familiar no Headland Head Start em Provo, UT, ele começou a pós-graduação no Departamento de Desenvolvimento Infantil e Estudos da Família (atualmente Desenvolvimento Humano e Estudos da Família) na Universidade de Purdue.

Ele se formou em 2005 com um mestrado em Estudos de Desenvolvimento.

Sua pesquisa centrou-se em avós e sua tese centrada em expectativas das avós para o desenvolvimento da personalidade de seus netos.

Ele também descobriu que havia (e ainda é) muito pouca ciência empírica sobre os avós e seus relacionamentos com os netos.

Assim, ao se formar, ele foi transferido para a Universidade de Syracuse para trabalhar com Alan Taylor em pesquisas relacionadas aos avós.

Alan orientou-o ao longo de seus estudos de doutorado e seus esforços para estudar os avós culminaram em um projeto chamado Envolvimento de Avô e Pesquisa de Saúde.

Ele se formou em Syracuse em 2009 como Doutor em Filosofia em Estudos da Criança e da Família.

Veja também no Portal AVôVó:

Repassar aos netos a importância do esforço na vida

 

 

 

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *