Dicas de Alimentação

Queijos artesanais brasileiros. Por excelência, deliciosos !

queijos do Brasil

O Brasil herdou uma importante tradição de comer queijos de todos os tipos.

No entanto, não somos completamente dependentes dos tipos europeus e árabes.

Os queijos brasileiros são excelentes e cheios de sabor.

O Brasil tem uma população muito miscigenada!

Somos fruto de influência africana, indígena, árabe e diversos países europeus.

Entre os muitos imigrantes, espanhóis, italianos e árabes são importantes na formação cultural do brasileiro.

A cultura gastronômica de ambos está intensamente ligada aos mais diversos tipos de queijo.

Por isso, o Avôvó decidiu abordar os principais benefícios e os principais queijos brasileiros.

O queijo é um produto lácteo à base de leite, produzido numa variedade de formas, texturas e sabores.

Ao longo da história, o queijo tem sido uma parte importante da dieta, tanto como um alimento básico, como uma comida gourmet.

Além de ser delicioso, é altamente nutritivo e muito rico em várias vitaminas e mineral.

A cor pode ser amarelo, branco e verde, e a consistência pode variar de duro à macio, dependendo do tipo.

Os benefícios são bastante variáveis: proteínas, gorduras saudáveis, carboidratos essenciais, vitaminas e minerais.

Vamos falar separadamente das características singulares de cada ponto.

Proteína:

Uma fatia grossa de queijo cheddar (28 g) contém cerca de, 6,7g de proteína, que é semelhante ao que você consome em um copo de leite.

A maioria das proteínas do queijo pertence à família de proteínas do leite chamada caseína.

As proteínas do leite são de excelente qualidade, ricas em aminoácidos essenciais e altamente digerível.

A caseína é a maior família de proteínas do leite, a mais abundante é a alfa-caseína, que tem alguns efeitos únicos, que promovem a saúde, reduzem a pressão sanguínea e aumenta a absorção de minerais a partir do trato digestivo.

Gorduras do Queijo:

O teor de gordura do queijo é altamente variável, dependendo do tipo de queijo.

Ela pode variar de 1% em queijo cottage à 34 % ou superior no Queijo Cremoso.

A gordura do queijo é altamente complexa, contendo centenas de ácidos gordos.

É muito rico em gordura saturada (70%), mas também oferece uma boa quantidade de gordura monoinsaturada.

Gorduras Trans Ruminantes:

O queijo contém uma família de gorduras trans chamada gordura trans ruminante ou gorduras trans láctea.

Ao contrário das gorduras trans encontradas em alimentos processados​​, gorduras trans ruminantes são consideradas benéficas à saúde quando consumidas com moderação.

As gorduras trans ruminantes mais abundantes são o ácido vacênico e o ácido linoleico conjugado, vulgarmente abreviado como CLA, que tem vários benefícios à saúde e pode promover a perda de peso em indivíduos com sobrepeso.

No entanto, grandes doses de suplementos de CLA podem ter consequências metabólicas prejudiciais.

Carboidratos:

O teor de carboidratos no queijo é muito variável, dependendo da marca, tipo e estágio de maturação.

O principal carboidrato no leite é a lactose (açúcar do leite).

Durante a produção do queijo, a lactose é transformada em glicose e galactose.

No entanto, a extensão da decomposição da lactose depende do tipo de queijo.

A lactose tende a ser baixa em queijo envelhecido, como cheddar e alta em queijos frescos, tais como queijo cremoso e cottage.

Portanto, o consumo moderado de queijo com boa maturação é geralmente bem tolerado por aqueles com intolerância à lactose.

Vitaminas e Minerais:

O queijo é uma fonte concentrada de vitaminas e minerais.

Isto não é surpreendente, já que é utilizado um copo de leite para produzir uma fatia de queijo.

Cálcio, queijo está entre as mais ricas fontes alimentares de cálcio, que desempenha um papel essencial na saúde óssea.

Vitamina B12, também chamado de cobalamina, a vitamina B12 é importante para a função do sistema nervoso (15).

Sódio, adicionado ao queijo para aumentar a vida de prateleira e sabor

Pequenas quantidades são naturalmente presentes no leite.

Fósforo, um mineral essencial amplamente disponível em alimentos, especialmente alimentos processados e o seu consumo é elevado na dieta ocidental.

Veja os principais queijos brasileiros:

Extra curado – Chapecó, SC

queijo_extra_curado_de_ovelha

Leite: cru de ovelha;

Textura: quebradiço;

Maturação: mínimo de 12 meses;

Descrição: de sabor característico de queijos de leite de ovelha e salgadinho na medida.

Apesar do aroma adocicado, o sabor picante prevalece – um contraste que ganhou a nossa atenção.

Giramundo – Itapetininga, SP

queijo-gira-mundo

Leite: vaca pasteurizado;

Textura: firme;

Maturação: 5 meses;

Descrição: de sobrenome “estilo reino”, este queijo de casca lavada com beterraba – que dá a cor característica na parte de fora – atende às expectativas de quem tem familiaridade com o tipo.

É um queijo gostoso, simples e artesanal e vai bem com uma boa goiabada, no tradicional Romeu e Julieta.

Joaninha – Joanópolis, SP

queijo joanópolis

Leite: misto – 50% de cabra e 50% de búfala pasteurizados;

Textura: macio;

Maturação: 60 dias;

Descrição: parceria da produtora Heloisa Collins com Fernando Oliveira, que matura o queijo em uma caverna.

Mimo da terra – Natividade da serra, SP

queijo mimo

Leite: cru de vaca;

Textura: cremoso;

Maturação: 30 a 40 dias;

Descrição: a casca rústica e dura, com mofo artificial trazido da França, esconde um interior muito cremoso – seu ponto alto.

Inspirado na receita do queijo francês Tomme de Savoie.

Ovelha das vertentes – Itapecerica, MG

queijo ovelha das vertentes

Leite: cru de ovelha;

Textura: firme;

Maturação: 90 dias;

Descrição: este não é um queijo fácil.

Tem sabores bem complexos, talvez o que rendeu mais discussão na degustação.

Começa difícil, mas cresce na boca, com altos índices de picância e amargor que se revelam ao final.

Cuesta – Pardinho, SP

queijo cuesta pardinho

Leite: cru de vaca;

Textura: macio;

Maturação: 6 meses;

Descrição: agradável com sabor amanteigado, é um queijo fácil, para qualquer ocasião.

Pode ser comparado a um parmesão não finalizado – doce e granulado, só que um pouco mais cremoso.

Artesanal Alagoa – Alagoa, MG

queijo artesanal alagoa

Leite: cru de vaca;

Textura: macio;

Maturação: fresco, de 4 a 5 dias;

Descrição: apesar do nome, em nada se assemelha com o queijo italiano. Este tem sabor potente e picante.

Raclette mineiro – Almenara, MG

Queijo raclette

Leite: cru de vaca;

Textura: firme e elástico;

Maturação: 45 a 60 dias;

Descrição: de aroma simples e sabor complexo.

Como o próprio nome já diz, se sai bem no preparo da tradicional receita suíça.

Venda nova – Venda nova do imigrante, ES

queijo venda nova

Leite: cru de vaca;

Textura: amanteigado;

Maturação: 30 a 45 dias;

Descrição: este é um queijo fácil, por assim dizer: suave na boca e com boa acidez, equilibrado do começo ao fim.

Um bom queijo de mesa, ótimo para acompanhar um café mineiro.

Serrano – São José dos ausentes- RS

queijo serrano

Leite: cru de vaca;

Textura: amanteigado (semiduro);

Maturação: 120 dias;

Descrição: esse “canastra” do Sul é tradicional gaúcho. A região mineral confere sabor intenso e forte aroma de azeitona.

Parece que leva azeite, mas é impressão. Preferido de muitos da degustação.

VôVó a variedade de queijos artesanais no Brasil é enorme e sabemos que cada um deles tem suas características. É importante avaliar o sabor, as suas propriedades e decidir por aqueles que melhor se adequam a sua palatabilidade e os efeitos em seu organismo. Bom proveito!

Em breve, informaremos mais sobre essas delícias e outros tipos de queijos para ampliar o seu conhecimento com relação a produção e marcas.

Veja também no Portal AVôVó:

https://www.avovo.com.br/vinho-faz-bem-para-a-saude/

 

 

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *