Saúde Mental

O amor não se importa com a idade

o amor vem para cada um

O amor na terceira idade vem e não se importa com a idade.

Há quem considere a terceira idade a melhor fase da vida.

No entanto, como é possível encontrar a felicidade sem o amor verdadeiro?

Os mais jovens condenam os idosos a permanecer sozinhos quando se fala em relacionamento amoroso.

Não podemos aceitar isso!



Todos passam a vida querendo encontrar alguém experiente que seja maduro o suficiente para levar um relacionamento leve e harmonioso.

Chegou a hora, você é essa pessoa e deve permitir que outra pessoa cheia de maturidade entre em sua vida.

A sociedade está muito acostumada a associar paixão com as pessoas mais jovens, mostrando aos mais velhos que a cada dia que passa fica mais difícil encontrar um companheiro ou, até mesmo, um relacionamento.

O que resta?

Amor aos netos e a família.

 o amor vem para cada um

Qualquer coisa que seja necessariamente assexuada.

O despertar de sentimentos normalmente não são bem recebidos.

Reviver emoções, lembrar momentos inesquecíveis e mostrar desejo não é permitido aos que se encontram na terceira idade.

Os filhos e a sociedade ficam perplexos, acreditando que os idosos não estão preparados para amar novamente.

A idade biológica não é determinante para definir quanto amor sentimos.

Nossa condição física não condiciona a capacidade de estarmos apaixonados.

As estrelas escrevem as mais distintas histórias de amor pelas marcas da cultura, história e subjetividade singular de cada pessoa.

A idade jamais será um impedimento para o início de um novo amor, como também os apaixonados não devem se preocupar com antigas e antiquadas regras da sociedade.

Diga não aos padrões e viva o amor independentemente da sua idade

O amor vem para cada um

A sociedade estabelece como padrão estético o corpo do jovem, atribuindo como meta um físico esbelto e cheio de músculos.

Como se amar e ser amado dependessem da eficácia em obter um corpo escultural, mas essa visão é errada e vincula a noção de amor aos mais jovens – aqueles que atingem os padrões com mais facilidade -, aprisionando o amor a questões meramente estéticas e afastando os mais velhos da verdadeira visão e amar.

Quando falamos na situação das mulheres as coisas ficam ainda pior.

Muitas são induzidas a acreditar que após a menopausa – período que determina o fim do período fértil – a função sexual deve ser aposentada, vinculando o ato apenas a questões reprodutivas.

Para os homens a situação é semelhante, pois, a grande maioria, aceita o modus operandi que a sociedade estabelece e julgam-se incapazes de obter um bom desempenho sexual após certa idade.

Não podemos negar que o envelhecimento gera alterações na integridade do sistema nervoso e, com isso, uma negativa mudança nas respostas relacionadas a excitação.

No entanto, o que deveria ser prejudicial é justamente o que gera benefícios.

Um estudo realizado pelo médico Richard Schultz mostrou que pessoas idosas experienciam emoção e afeto mais ou menos com a mesma intensidade das pessoas mais jovens.

Todavia, pessoas com mais idade tendem a experimentar emoções e afetos por um período maior e demonstram uma menor alteração no estado emocional.

Resumindo, os relacionamentos na terceira idade são mais estáveis e seguros.

Na equação final, não ficam de fora as mudanças no domínio fisiológico, mas é comprovado que os casais idosos são mais positivos em suas expressões afetivas e, com o passar do tempo, nada pode calar nossos desejos.

O eterno maestro do Brasil, Tom Jobim afirmava que é impossível ser feliz sozinho.

Talvez ele esteja certo, mas o que importa é a vontade de estar com alguém.

Se esse é o seu caso, não deixei ninguém te dizer o contrário.

Ninguém!

Nem a sua idade.

Veja também no Portal AVôVó:

Apaixonar-se na terceira idade é um privilégio

AnteriorPróximo

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *