Internacional

Grécia, altiva e moderna. Veja sua história e beleza

grécia

Como vivia o povo grego na Antiguidade

De modo geral, o homem grego passava o dia fora de casa.

Ocupava o tempo trabalhando, fazendo compras  ou conversando com os amigos sobre política e outros assuntos.

A mulher ficava em casa, cuidando da roupa e da alimentação e organizando o trabalho dos escravos; era ela quem administrava as tarefas da casa.

Comparadas com as de hoje, as casas eram pequenas e sem conforto.

Mas isso tinha pouca importância, pois, em razão da suavidade do clima, a maior parte das atividades diárias era desenvolvida fora de casa.

Construídas com uma mistura de pedregulho e terra cozida, as paredes eram tão frágeis que os ladrões eram chamados de “arrombadores de paredes”, pois eles simplesmente escavavam uma passagem nelas para entrar em casa.

Nas pequenas janelas não havia vidros e, no inverno, elas eram fechadas com madeira.

As cozinhas eram raras e os alimentos eram preparados ao ar livre.

Na Grécia Antiga não havia residências luxuosas.

Mesmo um grande general, como Temístocles, vivia numa casa simples, igual à de seus vizinhos.

Os homens ricos não eram respeitados pela ostentação, mas pelo que davam aos deuses e à cidade para custear os festivais públicos.

Grécia antiga

Nas cidades havia numerosas construções publicas.

As principais eram Odéon, consagrado aos exercícios de música; os teatros, onde se representavam tragédias e comédias; os ginásios, que, de inicio eram usados como lugares de treinamento e, depois, passaram a ser os lugares onde os filósofos davam suas lições ao ar livre; os estádios, onde se efetuavam as corridas a pé e outros exercícios, e os templos, onde eram cultuados os deuses.

As casas ficavam dispersas, sem nenhum alinhamento, atrás dos templos e de outros monumentos.

As ruas eram estreitas e sinuosas.

As condições de higiene eram precárias: quase não havia esgotos e todo o lixo era jogado nas ruas para ser apanhado pelos cães.

Ao se levantar, os gregos comiam pão embebido em vinho diluído com água; no almoço, comiam pão com queijo de cabra ou azeitona e figos; o jantar consistia de uma sopa de cevada e pão de cevada. Às vezes, comiam também legumes preparados em azeite de oliva e algumas aves caçadas no campo.

Nas famílias mais ricas,  jantar era quase igual, mas o pão era de trigo e, as vezes, havia também peixe, linguiça, queijo com mel e nozes, bolos e frutas secas.

Carne só em ocasiões especiais e depois de rituais.

Nessas ocasiões, cabras e cordeiros eram sacrificados no pátio das casas.

As vísceras e gorduras eram queimadas no altar como oferenda aos deuses, e a carne, depois de assada, era servida aos presentes.

Só nos grandes festivais da cidade se comia carne bovina.

Depois do sacrifício, a carne era distribuída entre os pobres.

A principal bebida dos gregos era o vinho.

Mas eles não bebiam puro; preferiam mistura-lo com água e, antes de bebê-lo , costumavam derramar algumas gotas no chão como oferenda aos deuses.

Grécia antiga

Os gregos comiam muito pão, e para adoçar a comida ou bebida utilizavam o mel.

As roupas usadas pelos gregos eram simples.

À parte a qualidade dos tecidos, todos se vestiam da mesma maneira, com roupas fáceis de pôr e tirar.

Os camponeses usavam uma veste curta, feita da pele de animais.

Cabia às mulheres à tarefa de tecer o pano para fazer as roupas, tanto nas famílias ricas quanto nas pobres.

Eram elas que fiavam, tingiam e teciam a lã: a peça que saía do tear estava pronta para ser usada.

Não era preciso cortar nem costurar.

A Grécia hoje

A Grécia ocupa aproximadamente o território habitado pelos helenos do período Clássico.

Sua forma de governo é a república parlamentarista.

A Grécia vive sob regime democrático.

Trata-se de uma democracia representativa, diferente daquela praticada no período Clássico.

Naquela época, as pessoas participavam diretamente, emitindo sua opinião na Assembleia, que reunia todos os cidadãos.

Na democracia moderna, os cidadãos elegem seus representantes e são estes que exercem o poder.

A economia do país baseia-se na agricultura, na indústria e no turismo.

As principais culturas são: trigo, oliveiras, fumo, algodão e frutas.

Dentre as principais indústrias, destacam-se as têxteis, as de azeite e vinho, as de refino  de petróleo, as de alumínio e níquel e a mineração.

Desde a Antiguidade, os gregos se distinguiram na construção naval e na navegação.

Essa tradição continua até hoje.

A frota grega atual, composta de navios de passageiros e mercantes, entre os quais importantíssimos cargueiros e petroleiros, está entre as primeiras do mundo.

grécia

Capital: Atenas

População: 11.300.000 hab

Fuso horário: 5h (horário de Brasília)

Código de área: 30

Localização: Europa

Sob qualquer ângulo que se analise a Grécia, seu povo e sua cultura, o resultado será um superlativo.

Banhado por alguns dos mares mais famosos da Europa e da Ásia – Jônico, Mediterrâneo, Mirtóico e Egeu, entre outros –, pontuados por ilhas fantásticas, é um país de belezas naturais quase incontáveis.

O deslumbre invade também o continente, onde as montanhas do Peloponeso, as rochas de Meteora e outros cartões-postais completam o pacote, como as badaladas praias de Mykonos.

Descubra os vestígios de Péricles e o apogeu da cultura grega em Atenas, as origens dos Jogos Olímpicos em Olímpia e se encante com as cúpulas azuis e paisagens vertiginosas de Santorini.

Encontre as pegadas das antigas civilizações que construíram, ao longo de milênios, um patrimônio arquitetônico, filosófico e cultural cujo valor não pode ser medido.

Para conhecer um pouco dessa história não deixe de passar pela Creta dos minotauros e a Delos dos deuses. E os mesmos gregos que há 3 ou 4 mil anos já falavam em democracia e elaboravam uma rica mitologia são os que hoje recebem com seu notório calor os turistas.

Para isso não deixe de mergulhar também na apetitosa culinária da península e suas ilhas, que vai da clássica salada horiatiki a incríveis pratos com frutos do mar.

Isso tudo é claro arrematado com o azeite de veneráveis oliveiras, o vinho de Baco e um bom cálice do destilado ouzo para brindar.

Sugestão de roteiro

Um roteiro com os destaques da Grécia pode ser combinado com um pulo até a Turquia ou mesclando bem destinos de continente e insulares.

Fora os programas fechados dos cruzeiros, o viajante independente pode fazer um circuito com quatro noites em Atenas, uma em Olímpia e duas ou três na região de Meteora.

Daí, siga para Delfos (de passagem por Tebas) e uma semana nas ilhas, incluindo Delos, Mykonos e Santorini.

Na “perna” das ilhas, você pode optar por mini-cruzeiros de três a oito noites, passando inclusive pelo litoral turco, com paradas em Éfeso e Kusadasi.

Como circular

Com mais de mil ilhas, a Grécia conta também com uma circulação enorme de barcos, navios, ferryboats e hidrofólios (barcos velozes).

Quando ir

O clima da Grécia varia de acordo com a situação geográfica, ou seja, tudo depende de estar numa região montanhosa ou não, no continente ou nas ilhas — e no caso das ilhas, a localização também conta.

Mas, no geral, o inverno é ameno e o verão, quente e seco, com temperaturas altas — em Atenas, elas podem ultrapassar os 40 graus facilmente.

O frio do inverno castiga mais montanhosas ou as mais afastadas do mar.

Aliás, a neve é comum nas montanhas mais altas, onde há inclusive pistas de esqui.

Os meses de julho e agosto reúnem legiões de turistas vindo do mundo inteiro em busca de sol, calor e badalação nas ilhas.

Esse movimento provoca um aumento generalizado nos preços de hospedagem, transporte e alimentação.

A vantagem é que os transportes aéreos e marítimo aumentam a frequência, mas fica mais difícil encontrar acomodação, já que os estabelecimentos lotam.

Para quem gosta de praias sem multidão, o melhor período é de abril a junho e nos meses de setembro e outubro.

fonte: viagem e turismo e só história

Veja também no Portal AVôVó:

Costa Rica, um país lindo de se viver e visitar!

 

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *