Nutrição, Suplementos

Ferro, nutriente que não pode faltar em nosso corpo

ferro para os idosos

Se você tem se sentido exausto ultimamente, ficado sem fôlego ao subir apenas alguns degraus ou não aguenta caminhadas mais longas, é possível que seu corpo esteja necessitando de ferro, especialmente caso você seja uma mulher.

Apesar de diversas pessoas não enxergarem o ferro como um nutriente importante, é surpreendente o fato do ferro ser uma substância cuja deficiência nutricional é bastante comum.

Quase 10% das mulheres sofrem deficiência de ferro.

A seguir, conheça mais sobre o ferro e sua importância à saúde do nosso organismo, bem como o que a deficiência do ferro pode causar.

O ferro e sua importância

O ferro, mineral essencial à nossa saúde, ajuda no transporte do oxigênio por todo o corpo, razão principal pela qual necessitamos dele.

Ele é um importante componente da hemoglobina, substância presente nos glóbulos vermelhos responsável por transportar o oxigênio dos nossos pulmões por todo o corpo.

A hemoglobina representa aproximadamente 2/3 do ferro presente em nosso organismo.

Caso a ingestão de ferro seja insuficiente, o organismo não é capaz de fazer o transporte correto do oxigênio dos glóbulos vermelhos.

Uma vez que os glóbulos vermelhos estão em falta, sofremos anemia.

A ausência de glóbulos vermelhos saudáveis faz com que nosso corpo não obtenha quantidade suficiente de oxigênio, o que causa fadiga e cansaço.

Esta exaustão afeta todo o nosso corpo, desde a capacidade do sistema imunológico em combater infecções, à função cerebral.

No caso de mulheres grávidas, a deficiência pode aumentar o risco do bebê nascer prematuro ou menor do que o natural.

O ferro e sua importância também incluem a capacidade que ele tem em manter as células do cabelo, pele e unhas saudáveis.

Quantidade necessária

A quantidade necessária de ferro é variável de acordo com o gênero, idade e saúde geral.

Os bebês e crianças, por exemplo, necessitam ingerir mais ferro do que adultos, já que seus corpos crescem de maneira rápida.

Durante a infância, tanto os meninos quanto as meninas necessitam de quantidades de ferro iguais (10 miligramas por dia entre idades de 4 a 8 anos, e 8 miligramas diariamente entre os 9 e 13 anos).

A partir da adolescência, as mulheres necessitam de quantidade de ferro maiores, já que elas perdem sangue todos os meses por conta da menstruação.

Este é o motivo pelo qual mulheres cujas idades variam de 19 a 50 anos necessitam da obtenção diária de 18 miligramas, enquanto os  homens da mesma faixa etária necessitam de apenas 8 miligramas diariamente.

Após a menopausa, a ingestão dele pode ser reduzida a 8 miligramas por dia, igual aos homens.

Ferro

Assim como a necessidade diária de ferro varia de acordo com o gênero, idade e saúde geral, uma maior ingestão de ferro, bem como de fontes dietéticas ou suplementos à base de ferro pode ser necessária no caso de mulheres grávidas e que estão amamentando, bem como de pessoas que sofrem de insuficiência renal, úlcera (que muitas vezes causa a perda de sangue), distúrbio gastrointestinal que impede a absorção normal do ferro (como coliteulcerosa, doença celíaca e doença de Crohn, alto consumo de antiácido (que impedem o nosso corpo de absorver o ferro), perda de peso e exercícios intensivos (que muitas vezes podem destruir os glóbulos vermelhos).

Assim, o ferro e sua importância à saúde são fundamentais!

No caso de pessoas vegetarianas ou vegan, a ingestão de suplemento de ferro também pode se fazer necessária, uma vez que o corpo não é capaz de absorver o tipo de ferro presente nos vegetais, ao contrário do ferro presente na carne.

Como identificar a deficiência

A anemia muitas vezes não é percebida por muitas pessoas, até que ela apresente sintomas e outros sinais, como a aparência pálida dos indivíduos, bem como a fadiga e a dificuldade em praticar atividades físicas.

A deficiência de ferro pode apresentar sintomas tais como:

Falta de ar; rápido batimento cardíaco; mãos e pés frios; queda de cabelo e unhas que se quebram facilmente; feridas no canto da boca; dor na língua e dificuldade em engolir (no caso da deficiência de ferro mais grave).

anemia

Ao sentir cansaço e fadiga constantemente, consulte um médico.

A identificação e diagnóstico das diversas fases da deficiência podem ser obtidos com um simples exame de sangue. No caso de mulheres grávidas ou pessoas que sofrem de distúrbio gastrointestinal (como o Crohn, a doença celíaca e a colite ulcerativa), o nível deve ser testado em uma base regular.

Suplementação

Caso você esteja sofrendo de deficiência, é importante obter uma dieta rica em alimentos que são fonte de ferro, como, por exemplo, a carne vermelha, os cereais fortificados, o feijão e as frutas secas.

Quer saber mais sobre as frutas secas e quais são? Clique aqui para ler

Entretanto, o ferro obtido na dieta nem sempre pode ser o suficiente.

Neste caso, o médico pode recomendar a ingestão de suplemento à base de ferro.

Apesar das vitaminas pré-natais conterem ferro em sua maioria, a quantidade diária recomendada de ferro nem sempre pode ser obtida por tais vitaminas.

Por este motivo, é importante que você se aconselhe com o seu médico antes da ingestão de qualquer suplemento.

Isto é importante, pois o consumo de suplementos de ferro deve ser testado através do exame de ferro, possibilitando que o médico verifique se os níveis da substância estão aumentando.

Efeitos colaterais dos suplementos

Possíveis efeitos colaterais dos suplementos de ferro podem ser vivenciados.

Em sua maioria, os sintomas podem ser náuseas, vômitos, dores no estômago, diarreia, constipação e fezes escuras.

No caso das mulheres grávidas, a constipação pode ser muito comum.

Para aliviar tais sintomas, experimente consumir mais fibras, que facilitam o trânsito intestinal e tornam as fezes mais moles.

suplementos-de-ferro

Os efeitos colaterais também pode ser minimizados com o aumento gradual do consumo de ferro.

Caso o suplemento de ferro esteja irritando o seu estômago, o médico pode ajudar a forma e a dosagem de ferro.

Ingerir muito faz mal?

Enquanto a ingestão excessiva de alguns suplementos pode não ser prejudicial, o mesmo não acontece no caso dele.

Adultos não devem ingerir mais de 45 miligramas da substância por dia, com exceção daqueles que estão passando por tratamento com ferro.

No caso das crianças, a ingestão excessiva pode ser tóxica, podendo até mesmo causar a morte das crianças pequenas, já que suas necessidades diárias são relativamente baixas, quando comparadas aos dos adultos.

Deste modo, é importante que os suplementos de ferro sejam mantidos longe do alcance das crianças, que costumam ser curiosas.

São sintomas da intoxicação por ferro diarreia, vômitos graves, dores abdominais, fezes com sangue e desidratação.

A alta dosagem costuma ser difícil apenas pelo consumo de alimentos no caso dos adultos, já que seus corpos são capazes de regular a quantidade dele a ser absorvida pelo organismo.

Entretanto, indivíduos com hemocromatose podem apresentar problemas na regulação a ser absorvido.

Apesar da maioria das pessoas absorver aproximadamente apenas 10% do ferro consumido, pessoas com hemocromatose podem absorver até 30%, e isto pode ser bastante perigoso, já que ferro em excesso pode ficar depositado no coração, fígado e pâncreas, muitas vezes causando insuficiência cardíaca, cirrose e diabetes.

Por este motivo, pessoas que sofrem de hemocromatose não devem fazer uso de suplementos e ferro.

fonte: opas

Veja também no Portal AVôVó:

Estas são as vitaminas essenciais aos idosos

 

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *