Dicas de Alimentação

Feijoada, é deliciosa mas consuma com moderação

feijoada leve para idosos

Feijoada, é deliciosa mas consuma com moderação.

Especialista aconselha que, ao escolher as carnes, se dê preferência para as que tenham menos gorduras.

Um feijão acompanhado de linguiça, orelhas e mocotós de porco, couve e arroz.

Para completar, há aqueles que não dispensam a tradicional caipirinha como acompanhamento.

Esse imenso prazer à mesa tem como protagonista a feijoada, sempre motivando confraternizações.

No entanto, por ser um alimento de alto valor calórico, há cuidados que devem ser tomados.

Para os historiadores, a feijoada está diretamente ligada à presença do negro em terras brasileiras.

Resultado da fusão de costumes alimentares europeus e da criatividade do escravo africano, fez com que beirasse à unanimidade no paladar do brasileiro.

Feijoada, é deliciosa mas consuma com moderação

Contudo, a mistura de tantas carnes, sobretudo partes com gorduras saturadas, a exemplo do toucinho, torna-se um risco à saúde, principalmente para quem apresenta um quadro de colesterol elevado.

Cair em tentação, nesse caso, pode ter sérias conseqüências, já que aumentam os riscos de doenças cardiovasculares.

O alerta é da professora do curso de Ciências da Nutrição, mantido pela Universidade de Fortaleza (Unifor), Eliane Mara Viana Henriques, que chama a atenção para os excessos da gordura saturada.

Eles podem e devem ser evitados, sem prejuízos para o sabor do prato que se classifica como símbolo da culinária nacional.

Segundo Eliane Mara, o ideal é que se substitua as carnes, inclusive linguiças e vísceras, por outras com menor quantidade de banhas e tecidos adiposos.

Isso não apenas reduz os riscos à saúde como favorece, conforme observa, a digestão, levando em conta a temperatura quente da região.

“Na verdade, a feijoada é uma comida que popularmente se chama de pesada.

Mas o fato é que pode ser mais light, mantendo o sabor de seus principais ingredientes e dispensando aqueles que detêm mais gorduras”, ressalta a professora.

Para Eliane Mara, somente o feijão já possui um grande valor alimentar, pelo fato de reunir proteínas e carboidratos.

“Com o arroz, torna-se um alimento quase completo para a mesa do brasileiro”, ressalta a nutricionista.

Sabendo um pouco mais sobre a feijoada

Prato é uma herança dos escravos

A fusão do feijão com diferentes tipos de carne é uma herança dos escravos.

Na senzala, eles aproveitavam as sobras dos alimentos desprezados pelos senhores da casa-grande.

Nas regiões das minas de ouro (Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Mato Grosso), como o escravo ficava totalmente absorvido pela busca do ouro e dos diamantes, e sem disponibilidade para cuidar de sua própria comida.

Os mantimentos vinham de outras regiões (litoral paulista e carioca) carregados nos lombos dos animais, daí a origem do famoso “feijão tropeiro”, indicando a forte apreciação nacional pelos pratos feitos à base de feijão.

Feijoada, é deliciosa mas consuma com moderação

Naquela época, a refeição dos escravos de Diamantina era composta basicamente de fubá de milho, feijão e sal.

Assim, o feijão misturado com farinha de mandioca ou fubá grosso de milho virou prato tradicional naquela época.

Pouco depois, acrescentou-se a este prato a carne, fundindo o apreciado cozido português.

Diversos tipos de carne e legumes, cozidos, com o já adotado feijão, toucinho e farinha.

Estava feita a feijoada.

Hoje, a feijoada costuma ser servida acompanhada de couve refogada com alho, arroz branco, farofa e molho de pimenta.

Saiba mais sobre a couve, clicando aqui

fonte: diario do nordeste

Veja também no Portal AVôVó:

Legumes e verduras, o que são e os seus benefícios

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *