Comportamental

Envelhecer bem, só depende de você!

saber envelhecer

Uma nova pesquisa mostra que o envelhecer está diretamente ligado aos hábitos de cada indivíduo, diferentemente de como pensávamos antes sobre a total influencia da genética.

Veja na matéria com mais detalhes!

Envelhecer é difícil? Oo portal Avôvó foi entrevistar as atrizes Gloria e Gabriela Rabelo – protagonistas do espetáculo Entre! A porta está aberta.

Na ocasião, o repórter Vinícius Elia, ao fazer uma pergunta afirmou a indagação do início do parágrafo.

Sem titubear as atrizes negaram firmemente e concordaram em atribuir que envelhecer só se torna complicado quando o individuo não se cuida, mental e fisicamente.

As idosas acreditam que tornasse idoso é verdadeiramente um privilégio, mas está diretamente ligado ao modo como o cidadão leva a vida.

o bom envelhecimento

Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, seccional São Paulo (SBGG/SP), em parceria com a Bayer, feita em 10 capitais do Brasil, mostra que 63% das pessoas com mais de 55 anos pensam a respeito do envelhecimento.

Pelo menos 33% afirmaram que lidam bem com a condição e outros 14% se disseram assustados com a velhice.

O que muita gente ainda não sabe, independentemente da pesquisa, é que 70% do envelhecimento é determinado pelas próprias pessoas, com os hábitos que adotam no dia a dia.

Já os outros 30% vêm da carga genética.

Quem sustenta esta afirmação é a diretora da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG-SP), a médica Maisa Kairalla.

A geriatra diz que os brasileiros não foram ensinados a envelhecer.

“Creio que 100% das pessoas tinham que pensar, sim, sobre velhice”, comenta.

“Como a velhice pode ser a última fase de um processo vital para todos que nascem, a partir de certo tempo, nós temos, sim, responsabilidades, desde que as oportunidades sejam favoráveis.

A genética determina o envelhecimento quando o nosso processo vital – processo biopsicossocial – não é entendido, favorecido e garantido.

A questão da genética está relacionada aos genes.

Pois eles é que determinam ao corpo biológico e ao seu envelhecimento, a idade cronológica.

Algumas pessoas têm mais tendência a envelhecer primeiro que outras, independentemente dos esforços que façam para manter a boa saúde.

Apesar de que o tornar-se velho, hoje, ganhou uma conotação estereotipada para atender os anseios socioeconômicos”, esclarece Francisco Silvestre.

Segundo os especialistas, o processo de envelhecimento está associado a modificações no padrão do ‘caminhar’ e no equilíbrio e a diminuição dele tem relação com a diminuição da expectativa de vida.

O envelhecimento começa aos 28 anos.

O desgaste do corpo ocorre por dois motivos: um deles é a limitação biológica e genética, o outro são os fatores externos, como o estresse, o álcool, o tabaco e o sol.

o bom envelhecimento

Condições que determinam o “bom envelhecimento”

A diretora da SBGG-SP, Maisa Kairalla, explica que a velocidade da marcha é um dos cinco sinais para avaliar a condição do idoso no futuro.

Os outros sinais são: frequência do pulso, a frequência respiratória, a temperatura e a pressão arterial.

O envelhecer é caracterizado por um declínio do organismo, que pode ocasionar redução de força, perda de mobilidade articular e sensoriais, que prejudicam a capacidade coordenativa.

Ela ressalta ainda que estas situações, aliadas ao sedentarismo, geralmente diminuem a mobilidade geral com alteração no equilíbrio e na marcha.

“Manter hábitos saudáveis, ao longo das décadas, resulta em uma vivência melhor durante a terceira idade”, explica.

Exercício físico e rejuvenescimento

o bom envelhecimento

A personal trainer Prazeres Souza, de 46 anos, disse que as pessoas sempre costumam dar a idade dela ainda na casa dos 30.

“Desde infância pratico exercícios físicos. Fui incentivada pelos meus pais.

Os exercícios são bons para o corpo e também para nossa saúde e quanto antes começar, melhor vai ser.

Além de ter um corpo em dia, eu encaro a rotina do dia a dia com mais disposição.

Além da atividade física como a musculação, a corrida e os exercícios funcionais, eu tenho um acompanhamento nutricional que ajuda a manter o corpo em forma”, contou a personal.

Prazeres disse que se sente ainda mais jovem que as idades que lhe atribuem.

“Eu observo as minhas alunas, meninas de 15 a 18 anos que cansam rápido.

Elas não têm a mesma disposição e resistência que as jovens da minha época”, comenta Prazeres.

 

Não perca nenhum conteúdo do Portal Avôvó! Informe seus dados e receba atualizações por e-mail.



 

Já a dona de casa Erinalva Guerra, 36 anos, ainda está longe da fase do envelhecimento, mas já mantém bons hábitos para chegar nessa fase com saúde e em boa forma.

“Iniciei os exercícios físicos para manter a forma e ter uma qualidade de vida melhor e mais saudável.

Adquiri esse hábito com o passar do tempo e por conta própria para me sentir bem com o corpo e com uma saúde melhor”, conta Erinalva, enquanto fazia sua caminhada de rotina.

Para idosos, prática é mesmo fundamental

o bom envelhecimento

Para o gerontólogo Francisco Silvestre, mesmo com essa falta de governança as pessoas se dedicam à boa prática e para ele, além de cuidar do corpo, é necessário cuidar da mente e do espírito.

“É inevitável não alinhar uma coisa à outra.

Diz um ditado na gerontologia que ‘o corpo que tem fé, balança, balança, mas não cai’.

Já outro ditado diz que ‘corpo sem cabeça o mesmo que um barco à deriva’.

Acredito que esses sábios ditos populares respondem a importância de exercitamos à fé e a memória”, afirma.

Para os idosos, a prática de atividade física é fundamental para uma melhor qualidade de vida.

Ela fortalece os músculos, ossos e articulações, o que melhora a capacidade de locomoção e realização de tarefas diárias, e ainda diminui a ocorrência de quedas e, consequentemente, lesões.

Além de ajudar a envelhecer, prevenir e tratar algumas doenças, também ajuda na autoestima do idoso, que quando saudável, consegue ser mais independente, o que minimiza os riscos de depressão e outros problemas psicológicos.

Sensação de bem-estar e alívio de dores crônicas

o bom envelhecimento

Além de contribuir para a sensação de bem-estar, aliviar dores crônicas e melhorar a resistência física, a prática regular de atividade é fundamental para a saúde, atuando na prevenção e tratamento de doenças cardiorrespiratórias, psicossomáticas, metabólicas, alguns tipos de cânceres, AVC, diabetes, hipertensão, osteoporose, entre muitas outras.

O alerta é para a pratica atividade física, independentemente da idade e comece a praticar o quanto antes para saber envelhecer com qualidade.

É importante buscar orientação de um profissional de educação física a respeito das atividades indicadas, sua intensidade e a melhor forma de realizá-las.

Caso exista alguma patologia, é necessário procurar um médico antes de começar a praticar qualquer atividade física.

Ele fará uma avaliação e poderá vetar algumas atividades e recomendar outras, de modo a garantir sua segurança, os benefícios das atividades e evitar lesões ou outras complicações.

Veja também no Portal AVôVó:

Dores no corpo ao acordar?

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *