Receitas Salgadas

4 receitas de cuscuz que te deixarão com água na boca

cuscuz para idosos

O cuscuz que hoje é consumido no Brasil é um prato típico africano que teve origem em Maghreb, no norte da África, pelos povos berbere, que espalharam o prato para as regiões Central, Ocidental e Atlântica do país. Geralmente, era produzido com sêmola de cereais (que podia ser polvilho, milho, trigo, farinha ou mandioca). Ele é um dos pratos mais requisitados entre os mouros e árabes e faz parte da cultura desses povos.

O cuscuz só foi trazido para o Brasil, durante a colonização dos portugueses, no século XV. Nessa época, a produção da farinha de milho era feita de forma artesanal, quando o milho poderia ser moído. Era uma comida destinada às famílias pobres, aos escravos e também aos bandeirantes, que a consumiam junto com carne seca batida no pilão. Muitas vezes, era um prato vendido em tabuleiros pelas mulheres negras ou mercadores, além de outros quitutes. Depois, passou a ser feito industrialmente e distribuído por todo o país.

O cuscuz pode ser produzido com farinha de mandioca, de arroz ou aipim, mas o milho é um dos principais elementos utilizados na preparação do cuscuz brasileiro. É consumido tanto à noite como pela manhã, com manteiga, dissolvido em sopa ou com leite de vaca.

Cuscuz para os idosos

No Brasil, existem vários tipos de cuscuz, mas o tradicional é feito com farinha de milho que pode ser temperada com sal e outros ingredientes e depois disso ele é cozido no vapor. Pode-se consumir depois de pronto com leite, leite de coco, adicionar ou não açúcar, dentre outros ingredientes.

Para fazer o prato típico, os brasileiros costumam utilizar uma panela chamada de cuscuzeira, que no Nordeste, pode ser de barro, mas também feita de ferro fundido ou latão.

Tipos de Cuscuz

Cuscuz Paulista

O cuscuz paulista é um tipo de cuscuz recheado feito com farinha de milho ou de mandioca com ingredientes tais como palmito, pimentão, tomate, milho, camarão e peixe. A mistura descende dos índios e dos bandeirantes e obteve um estilo mais sofisticado.

Cuscuz Nordestino

O cuscuz nordestino é feito no vapor, somente com sal e consumido no café da manhã, umedecido com leite de coco. É uma receita fácil, feita nas manhãs das famílias brasileiras. Também é uma das mais comercializadas em restaurantes.

Cuscuz Maranhense

No Maranhão, um tipo de cuscuz famoso é feito com flocos de arroz, goma de tapioca, água e sal. Depois de pronto, vai para a cuscuzeira. Ele é chamado também de cuscuz de arroz.

Cuscuz Marroquino

O cuscuz marroquino é um prato típico do Marrocos feito com sêmola de trigo, sendo possível adicionar ingredientes como legumes, caldos, carnes, frutas secas e temperos. É um prato muito apreciado e temperado. Pode-se adicionar açúcar, canela, leite ou iogurte e consumi-lo como sobremesa ou lanche. Na Sicília, esse prato é chamado de cuscusu, e no Senegal keskes, bem parecido com o prato marroquino.

Cuscuz de Coco

É um tipo de cuscuz doce feito com coco fresco ralado, açúcar e farinha de milho branco. Para servir, pode-se adicionar cravos e leite condensado.

Aprenda a Fazer Receitas de Cuscuz

Cuscuz de Camarão

Tempo de preparo: 1 hora
Rendimento: 10 porções
Dificuldade: Fácil

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de azeite de oliva;
  • 1 cebola grande picada;
  • 1 vidro pequeno de palmito em conserva picado (sem a água);
  • 1 lata de ervilha em conserva (sem a água);
  • ½ xícara de chá de azeitona verde;
  • 1 lata de molho de tomate;
  •  ½ kg de camarão limpo;
  • 3 xícaras de chá de farinha de milho;
  • 1 xícara de chá de cebolinha picada;
  • Sal e pimenta a gosto;
  • Rodelas de ovos cozidos e de tomates para decorar.

Modo de Preparo:

  • Aqueça o azeite em uma panela e doure a cebola.
  • Acrescente o palmito, a ervilha e a azeitona.
  • Misture e refogue por 5 minutos.
  • Coloque o molho de tomate, o camarão, misture e ferva por mais 5 minutos.
  • Em seguida, junte a farinha de milho, a cebolinha, o sal e a pimenta.
  • Cozinhe por mais alguns minutos, mexendo sempre até que fique homogêneo.
  • Coloque em um refratário de vidro com furo no meio untado e decorado previamente com as rodelas de tomates e ovos.
  • Aperte bem a massa de cuscuz com auxílio de uma colher.
  • A seguir, desenforme e decore a gosto.

Cuscuz Paulista

Cuscuz para os idosos

  • Tempo de preparo: 45 MINUTOS
  • Rendimento: 10 PESSOAS

Ingredientes:

  • ½ xícara (chá) de óleo;
  • ½ xícara (chá) de azeite;
  • 1 colher (chá) de Alho Granulado Kitano, hidratado com 1 colher (sopa) de água;
  • 1 colher (sopa) de Cebola Granulada Kitano hidratada com 1 colher (sopa) de água;
  • 520g de molho de tomate pronto;
  • 1 colher (café) Molho de Pimenta Kitano;
  • 2 ½ xícaras (chá) de água;
  • 1 colher (sopa) de sal;
  • 1 colher (sopa) de Cebolinha Verde Kitano;
  • 500g de camarão pequeno limpo;
  • 1 pacote de Ervilha a Vapor (230g);
  • 3 xícaras (chá) de Farinha de Milho Amarela Yoki;
  • Alguns Cogumelos fatiados;
  • Um ou dois Ovos cozidos e fatiados;
  • Algumas Tiras de pimentão vermelho.

Modo de Preparo:

  • Em uma panela, aqueça o óleo com o azeite e doure o alho com a cebola.
  • Acrescente ao cuscuz à paulista o molho de tomate, o molho de pimenta, o louro, a água, o sal e a cebolinha.
  • Abaixe o fogo e cozinhe por 15 minutos com a panela tampada.
  • Junte os camarões e cozinhe mais 10 minutos. Se necessário, acrescente um pouco mais de água à receita de cuscuz paulista fácil!
  • Acrescente as ervilhas e a farinha de milho e misture bem.
  • Cozinhe por alguns minutos, até a massa começar a soltar do fundo da panela.
  • Seu cuscuz à paulista está quase pronto!
  • Unte uma assadeira com furo central com óleo.
  • Decore o fundo da assadeira com os cogumelos, os ovos e as tiras de pimentão.
  • Despeje a massa na assadeira e pressione levemente.
  • Desenforme e sirva o cuscuz paulistano quente ou frio.
  • Pronto, agora você já sabe como fazer cuscuz paulista!

Receita de Cuscuz de Bacalhau da Noruega à Marialva

Cuscuz para os idosos
foto ilustrativa
Esta deliciosa receita, elaborada pela banqueteira Marialva Kochi, foi indicada pela atriz Rosamaria Murtinho, no livro “O Bacalhau da Noruega com Temperos Brasileiros”.

Número de porções: 8

Ingredientes:

  • c

Modo de Preparo:

  • Dourar a cebola e alho bem picados no azeite, acrescentar os tomates (sem pele e picados), deixar apurar por 5 minutos.
  • Acrescentar o bacalhau, mexer bem por 3 minutos, juntar as azeitonas picadas, ervilhas cozidas, o palmito picado e a farinha de milho.
  • Mexer mais alguns minutos para a farinha cozinhar.
  • Deixar descansar por 5 a 10 minutos, enformar.
  • Somente desenformar depois de frio.
  • Decorar com lascas de bacalhau dessalgado passado no azeite e alho fritos, colocar sobre o cuscuz ou à sua volta.
  • Pode ser servido como canapé.

Cuscuz da Tunísia

O cuscuz deve ser o prato mais comum em todo o norte de África, de Marrocos à Líbia. Mesmo assim, cada país consegue dar-lhe o seu cunho particular, como é o caso da Tunísia.

O que é o cuscuz da Tunísia?

Dá-se o nome de cuscuz à sêmola de trigo que é parte essencial do prato, mas também ao prato em si, pronto a servir. A sêmola ainda é preparada à mão em muitos lares, usando farinha e pequenas quantidades de água para formar um granulado, que depois se deixa secar. Obviamente que a mistura só se conserva em climas secos e semidesérticos, como é o caso do da Tunísia, onde o deserto luta constantemente com a terra cultivável.

Em todos os países onde comi cuscuz (Marrocos, Tunísia, Argélia e Líbia), o aspeto era o mesmo mas o paladar  tinha sempre nuances – não só de país para país, mas também de cozinheiro para cozinheiro. Estamos a falar de um estufado de legumes, que pode ou não levar carne (geralmente nos restaurantes leva, se não se pedir o contrário, assim como durante as festas ou acontecimentos importantes); no dia a dia, o mais comum é ter apenas legumes.

A comida da Tunísia é geralmente picante, e recorre ao uso de uma maravilhosa invenção: a harissa. A descrição de “pasta picante à base de piripiri com especiarias” não faz justiça a esta delícia, geralmente usada também como entrada nos restaurantes tunisinos, regada com azeite (ou óleo) e acompanhada de baguette, herança dos colonizadores franceses. A não perder! Também existe nos países vizinhos; mas todos reconhecem que harissa  saborosa e verdadeira, é a a tunisina. Vende-se em latas ou bisnagas e o único problema é que rapidamente se torna viciante. Em Portugal encontra-se em algumas casas ou áreas de supermercado especializadas em comida internacional.

Outra das diferenças do cuscuz tunisino é a especiaria das especiarias, que neste país é usada em todos os estufados e pratos com molhos: o ras hanut, o equivalente árabe da garam masala indiana. O nome diz tudo: “cabeça da loja”, sendo que “cabeça”, em árabe, significa também “o mais importante”. Mas como se trata de uma mistura de especiarias podemos sempre prepará-la em casa, nem que seja numa versão simples.

Como fazer um cuscuz da Tunísia

Os ingredientes podem variar, mas a batata, o tomate e o pimento não costumam faltar. Cenoura e abóbora são também legumes muito comuns no cuscuz da Tunísia, e ainda pode usar curgete, beringela, feijão verde, ervilhas, nabo, ou outros legumes não folhosos da época.

Se não tem ras hanut, pode começar por preparar uma versão simplificada desta mistura, que pode ter mais de 20 especiarias, moendo num almofariz ou num moinho de café 6 grãos de pimenta da Jamaica, 4 cravinhos, 1,5 colher de chá de grãos de pimenta preta, 1,5 colheres de chá de sementes de coentros, 1 colher de chá de sementes de cominhos e ¼ de colher de chá de pimenta de Caiena. Juntar 1,5 colher de chá de canela em pó e dose igual de gengibre também em pó. Pode guardar-se em caixa, ou frasco bem fechado, durante várias semanas.

Receita de Cuscuz da Tunísia

  • Num prato fundo ou numa taça, colocar duas colheres de sopa de cuscuz (sêmola) por pessoa.
  • Regar com um fio de azeite e misturar com um garfo – fica com aspeto de areia molhada.
  • Ao mesmo tempo, por água a aquecer com uma pitada de sal.
  • Quando ferver, regar o cuscuz de modo a ficar coberto com cerca de ½ cm de água.
  • Deixar repousar pelo menos dez minutos, antes de separar os grãos com um garfo.

Para o estufado, é preciso:

  • Azeite;
  • 1 cebola ;
  • 3 dentes de alho bem picados;
  • 2 tomates picados;
  • uma colher de sopa rasa de polpa de pimenta ;
  • 3 de polpa de tomate;
  • 1 batata descascada e cortada em quartos por pessoa,
  • 1 pimentão grande em tiras;
  • 1 pau de canela;
  • sal;
  • uma colher de sopa de ras hanut;
  • um copo de grão-de-bico cozido;
  • 3 copos de legumes em pedaços;
  • Harissa a gosto.;
  • Facultativos, mas muito recomendados: rodelas de cebola crua, pimentas Padrón, azeitonas e rebentos de cebola.

Fazer um estrugido com o azeite, a cebola e o alho. Juntar o tomate, as polpas e as especiarias. Mexer, deixar embeber um minuto e juntar os legumes. Misturar bem, cobrir com água e temperar com sal. Quando as batatas estiverem tenras, juntar o grão-de-bico e retificar os temperos.

Tal como a feijoada, o cuscuz fica mais saboroso quando é reaquecido. Para servir, juntar harissa a gosto ao molho da panela, ou no prato de cada um. Grelhar pimentos Padrón e dispô-los no prato, com umas rodelas de cebola e um pouco de rebentos de cebola picados*.

Serve-se em pratos fundos, a sêmola primeiro e o estufado em cima, ou ao lado. É um prato muito completo e come-se sempre quente.

*os rebentos são os rancos verdes que despontam das cebolas mais velhas, muito saborosos e decorativos.

Veja também no Portal AVôVó:

O ovo e a sua importância na saúde dos idosos

 

AnteriorPróximo
Claudio Mello
O Avôvó é um portal colaborativo criado especialmente e inteiramente dedicado a um público cada vez mais conectado: a terceira idade. Aqui, não só o idoso se sente em casa. Nosso objetivo é também levar conteúdo relevante para familiares, amigos e profissionais que cuidam dessas gerações que chegam à melhor idade redefinindo conceitos e com cada vez mais interatividade e independência, mostrando que idade é só um número.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *