Suplementos

Colágeno, uma proteína importante para pele e proteção dos ossos

colágeno e envelhecimento

Muito se fala sobre o colágeno quando o assunto é ter uma pele viçosa, firme, saudável.

De fato, ele é essencial para a jovialidade da tez, mas o colágeno também é imprescindível para uma boa qualidade de vida, já que é fundamental para a saúde das articulações e tendões.


No entanto, não é necessário tomar suplementos de colágeno, basta apenas seguir uma boa alimentação.

A nutricionista Miriam Martinez, do Hospital Beneficência Portuguesa, explica que o colágeno é uma proteína fundamental para as células de renovação rápida, como pele, cabelos, unhas e tendões.

Além disso, faz parte da proteção que os ossos têm para evitar o impacto.

A melhor forma de garanti-lo, explica a nutricionista, é consumir qualquer outra proteína. Simples assim.

A suplementação é indicada para casos específicos, por indicação médica.

Se a pessoa decidir por si só suplementar, quem vai sofrer é o rim ou o fígado, que serão obrigados a processar o volume excessivo de colágeno que o corpo não conseguirá absorver.

Segundo a especialista, o ideal é fazer atividade física e comer as proteínas normalmente, já que isso manterá o músculo saudável, protegendo as articulações e não causando impacto nos ossos.

“O ponto é o equilíbrio”, explica ela.

colágeno envelhecimento

E a gelatina?

A gelatina é considerada pelo senso comum com uma fonte de colágeno.

Segundo a nutricionista do Hospital Beneficência Portuguesa, ela não se difere em nada de outras proteínas.

“A gelatina é uma proteína, então o colágeno presente nela será absorvido como todas as outras, em 1%”, explica.

A vitamina C ajuda muito nessa síntese, se consumida com a proteína.

“É benéfico não só para o colágeno, mas para a absorção de ferro”, explica Miriam.

Ela recomenda que a refeição com proteína seja acompanhada por fruta ou sucos de laranja, morango, limão ou abacaxi, que são ricos em vitamina C.

Veja 10 alimentos ricos em proteína:

  • Carne Vermelha;
  • Carne de Frango;
  • Salmão e peixes;
  • Carne de Cordeiro;
  • Ovos;
  • Feijão;
  • Lentilha;
  • Leite;
  • Iogurte;
  • Queijos.

Para uma absorção maior, embora não se saiba exatamente a porcentagem, o colágeno hidrolisado já vem “pronto” para o organismo absorver.

No entanto, se a pessoa mantiver uma alimentação rica em proteínas, ele será sintetizado no corpo normalmente, não haverá necessidade de suplementação.

Não perca nenhum conteúdo do Portal Avôvó! Informe seus dados e receba atualizações por e-mail.



 

Quanto maior a idade, menor é absorção.

A partir dos 30 anos há um processo visível de envelhecimento, pois o corpo tem dificuldade de multiplicar as células.

“A pele vai perdendo o viço, o cabelo vai ficando mais fraco.

A partir dos 50 anos, é mais intenso”, explica Míriam.

O raciocínio lógico, portanto, seria consumir mais colágeno puro.

O problema, segundo a especialista, é que com o passar dos anos, a síntese de colágeno no organismo vai ficando mais defasada.

“Se o organismo não conseguir absorver, ele excreta. Tudo que é em excesso é excretado”, conta.

Por isso, o clínico-geral e geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo, Paulo Camiz, conta que prescreve mais whey protein para idosos do que o próprio colágeno hidrolisado.

De acordo com ele, a dieta do brasileiro é pobre em proteínas e rica em carboidratos, fazendo com que o corpo tenha uma deficiência na formação de tecidos musculares.

colágeno envelhecimento

“Além disso, os tecidos à base de proteína são mais duros, como a carne, e a tendência com a idade é não mastigar tanto, preferir coisas mais molinhas”, explica ele, mostrando como acontece a menor ingestão.

A quantidade correta de proteína, portanto, fará com que o organismo funcione corretamente.

Para cada um quilo de peso da pessoa, o ideal é consumir 1 grama de proteína.

Alguém que pese 60kg deve consumir 60g diárias.

Com menos, o corpo não conseguirá manter os músculos, cartilagens, tendões e pele da forma correta.

Mais do que isso sobrecarregará os rins.

fonte: ig

Veja também no Portal AVôVó:

Vitaminas e sais minerais na terceira idade – Parte 2

 

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *