Frutas

Buriti, um fruto onde tudo se aproveita

buriti uma fruta exótica e deliciosa

O buriti é uma palmeira nativa no Brasil, onde é referida como fruta e planta de grande importância.

Dela tudo se aproveita.

Indígenas, caboclos e sertanejos consideram-na a árvore da vida. Silva et al. (2010) fazem um retrato importante do buriti em seu livro publicado pela Sociedade Brasileira de Fruticultura.

Apesar disso, essa palmeira vem sendo dizimada pela exploração de suas áreas onde é nativa, alertam os citados autores.

Também alertam para o crescente uso do buriti para alimento funcional, cosméticos, farmacêutico e biocombustível, nanotecnologia e artesanato, o que, se em parte é bom, ao contrário, faz a demanda da planta e sua produção aumentarem.

Originária da América do Sul, na região amazônica da Colômbia, Venezuela, Guianas, Trinidad e Tobago, Equador, Peru, Bolívia e Brasil.

Resultado de imagem para buriti

Sua ocorrência natural é grande em alguns locais, como o Peru, e oferece a opção de seu consumo como fruta e outros usos.

Os frutos têm polpa avermelhada, sabor melhor que os de polpa amarela, e muitos ecótipos, com mesocarpo, parte comestível, muito variável.

Na língua indígena, é chamado de aguaje.

Os frutos são drupas, usualmente são marrom-avermelhados, oblongo-globosos, com média de 4 a 5 cm de comprimento, e o seu epicarpo (casca) é formado de escamas típicas, sobrepostas;

o mesocarpo é carnoso, alaranjado, e o endocarpo tem uma semente globosa, com cerca de 2 cm de diâmetro.

Usos:

 Os produtos do buriti são vários, tanto para o homem, para os animais e para a indústria.

O fruto pode ser consumido ao natural, com farinha, ou usado para se fazer doces, geleias, sorvetes e vinho, entre outros.

Um óleo extraído de sua polpa possui cor alaranjada e apresenta boas característica de aroma e sabor, alto nível de carotenoides e é usado na indústria farmacêutica e como alimento.

As sementes, também comestíveis, são utilizadas para diversos fins, bem como as folhas, em artesanato e ampla variedade de aplicações.

Até da medula do tronco se retira uma farinha comestível.

Quer saber como substituir a farinha de trigo, por outras sem glúten? Clique aqui

A planta é ainda ornamental.

buriti donadio 1

Foto 1. Frutos típicos de buriti, com a casca tipo escamas (Foto: Dijalma Barbosa da Silva)

buriti donadio 2

Foto 2. Sementes de buriti, mostrando o embrião amarelo, em corte (Foto: Dijalma Barbosa da Silva)

buriti donadio 3

Foto 3. Produtos do buriti, doce, óleo e frutos (Foto: Dijalma Barbosa da Silva)

buriti donadio 4

Foto 4. Fruto cortado de buriti, mostrando amêndoa (Foto: Dijalma Barbosa da Silva)

Valor nutricional do Buriti

buriti - VN

O buriti é uma das principais fontes naturais de pró-vitamina A.

Frutos avaliados no Piauí deram mais de 3.500 equivalentes de atividade de retinol, ou seja, entre 5 e 8 vezes maior do que a cenoura, conhecida pela sua alta capacidade de fornecimento dessa vitamina.

A composição da polpa do buriti, segundo vários autores, é a seguinte – 115 a 145 kcal, proteína bruta – 2,1 a 3%; lipídios – de 8 a 14%; açúcares redutores – 4,4%; amido – 4,5%; fibras – 5,2 a 5,9%; e acidez – 1%.

Minerais

Os mais importantes são o cálcio, com 122 a 158 mg/100 g; o fósforo, com 15,7 a 44 mg; o ferro, com 0,6 a 5 mg; e o zinco, com 0,63 mg.

Vitaminas

Além da A, são importantes a vitamina C, com 21 a 56 mg; a B3, com 0,7 mg; e a B2, com 0,23 mg.

Há ainda de 9,5 a 142 mg de tanino.

Seu óleo é rico em ácidos graxos monoinsaturados, como o oleico, com 73%, maior do que o azeite de oliva.

Outros ácidos são o palmítico, com 19,5%; o linoleico, com 2,3%; o linolênico, com 1,7%; e o esteárico, com 1,8%.

O total de ácidos saturados é de 21,3%.

O total de ácidos saturados é de 21,3%.

O rendimento médio de polpa é de cerca de 30% da massa do fruto.

Informações adicionais

O buriti é a palmeira mais abundante do Brasil, destacando-se pela alta produtividade e multiplicidade de uso.

A polpa alaranjada do fruto apresenta os maiores teores de carotenoides, provitamina A do reino vegetal, constituindo-se em um valioso alimento funcional, ainda negligenciado.

Estima-se que apenas um hectare de buriti possa suprir as necessidades diárias de vitamina A de aproximadamente 2.700 pessoas.

O óleo de buriti – rico em ácidos graxos monoinsaturados, apresenta potencial de uso alimentício, farmacêutico, cosmético e industrial.

Os teores de ácido graxo oleico são superiores aos encontrados no azeite de oliva.

O óleo de buriti possui propriedade de absorção de radiações UV, podendo ser utilizado na fabricação de protetor solar e plástico parcialmente degradável.

A maior utilização desta planta com base em práticas de manejo sustentado poderá ampliar a renda dos agricultores e melhorar as condições de saúde da população, principalmente se for incluído nos programas de merenda escolar.

fonte: Toda fruta e DIJALMA BARBOSA DA SILVA, Pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Veja também no Portal AVôVó:

Jatobá, para que serve e benefícios

AnteriorPróximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *