Lazer & Entretenimento

Brincar com os netos é muito importante para os avós

porque brincar com os netos é importante
Os avós chegam muito cansados em casa, muitos ainda trabalham, e nem sempre conseguem brincar com os netos – normalmente cheios de tempo nas férias.
As crianças pedem com entusiasmo, mas são poucos que respondem ao convite afirmativamente e com empolgação genuína, afinal é natural que os pais se sintam exaustos no final do dia, sem disposição para gastar energia com brincadeiras cheias de movimentos e essencialmente no chão.
No entanto, vocês sabem que apenas 15 minutos de brincadeira com os pequeninos faz toda a diferença para o seu desenvolvimento, será que se esforçariam mais? Isso ainda não foi calculado, mas o ato de brincar já pode ser considerado essencial na formação intelectual e emocional das crianças.
Brincar ajuda a criança a ser criativa, a se comunicar e a ter empatia pelos outros.
A criança que brinca bastante tem melhor desempenho escolar ao longo da vida e desempenho cognitivo mais assertivo. Além disso, as brincadeiras auxiliam ao conhecimento de limites físicos e coordenação motora.
Atualmente dois fatores prejudicam essa etapa inicial da vida no quesito brincar: falta de tempo e tecnologia.
A falta de tempo: está ocorrendo tanto para os adultos, quanto para as crianças e isso leva a desistência ao longo do tempo;
A tecnologia: fácil e portátil, está tomando lugar de qualquer outra atividade e, frequentemente, sempre está com moral entre os responsáveis. Como se não bastasse, a superproteção está cada vez mais presente nas famílias – que ninguém nos ouça, as vovós precisam melhor nesse ponto.
Os netos devem se sentir atendidos, mas não mimados.
Os avôs e as avós precisam gastar o último gás para brincadeiras com os netos e tomar a iniciativa de apresentar alternativas de brincadeiras que não passem pela tecnologia, especialmente quando 84% das crianças brasileiras dizem preferir um tablet a brincar ao ar livre.

Vejam algumas brincadeiras:

A palavra é

– Semelhante a Mãe da Rua do Disco, esta brincadeira antiga consiste em:

– Combinar música e memória;

– O mestre fala uma palavra e os servos cantam uma música com ela;

– Ganha a brincadeira quem cantar primeiro, assumindo o lugar de mestre e assim sucessivamente.

 Alerta

– Um dos jogos e brincadeiras antigas na qual os participantes formam um círculo;

– Uma pessoa fica no centro com uma bola em mãos;

– Cada pessoa deste círculo falará uma fruta (ou o nome de alguém);

– O jogador que está com a bola irá jogá-la para cima e falará o nome de uma das frutas (ou o nome de um participante) citadas enquanto corre;

– O membro do círculo que falou a fruta (ou o dono do nome) terá que sair do seu lugar e pegar a bola antes dela tocar o chão;

– Se o participante não conseguir pegá-la ele será eliminado e a brincadeira recomeça. Caso contrário, terá a oportunidade de dar dois passos longos e, ao ficar parado no lugar, jogar a bola em alguém;

– Quem for acertado será eliminado do jogo;

– Ganha quem não for queimado.

Amarelinha

– Um jogo antigo onde, com um giz, pedra ou tijolo desenha-se quadrados no chão que são enumerados de 1 a 10;

– Com os números intercalados em quadrados únicos e outros em pares a amarelinha está pronta. Sendo que no final é desenhado um arco representando o céu.

– Os participantes decidem quem irá começar e cada um pega para si uma pedrinha, tampa de garrafa ou giz para marcar sua posição;

– Cada jogador irá pegar a pedrinha e jogar dentro da primeira casa (um de cada vez) e pulará nela com um dos pés;

– À medida que a pedrinha vai avançando em ordem numérica, o participante pula com um pé nos quadrados isolados e com os dois naqueles lado a lado;

– Não se pode pular dentro da casa que está com a pedrinha;

– Quando chegar ao céu, a pessoa irá pisar no arco com dos dois pés e retornará para o início do jogo, sem perder o equilíbrio, pulando os quadrados de acordo com a sua disposição (casa isolada e casa com números lado a lado) e pegar sua pedrinha de volta;

– Ganha quem não pisar nas linhas do jogo, não pisar na casa onde está a pedrinha, acertar a pedrinha na casa onde ela deve cair e conseguir pegar a pedrinha de volta.

Arranca-Rabo

– Um dos jogos e brincadeiras antigas que divide os participantes em 2 grupos, um será o pegador e o outro o fugitivo;

– Os fugitivos amarram no cós das calças ou bermudas, pedaços de fitas;

– Os pegadores saem correndo ao sinal do mestre atrás das pessoas com o rabo para tirá-los;

– O objetivo é arrancar os rabos/fitas do grupo dos fugitivos;

– Quando todas as fitas forem arrancadas, os times invertem as posições. Quem era pegador se torna fugitivo, quem era fugitivo se torna pegador.

 Balança Caixão

– Um dos jogos e brincadeiras antigas que precisa de pelo menos 4 jogadores;

– O mestre ficará sentado numa cadeira enquanto os servos irão se curvar apoiando a testa nas costas um dos outros de olhos fechados;

– O mestre fala: Balança Caixão. Os servos respondem: Balança você. O mestre retorna: Dá um tapa das costas e vai se esconder;

– A partir disso o último da fila faz o que foi mandado (dar um tapa nas costas do participante da frente) e se esconde;

– Conforme os jogadores vão cantando e se escondendo, o primeiro servo precisará procurá-los;

– Ganha a brincadeira quem for pego por último.

Bambolê de Guerra

– Separam-se em duplas;

– Os participantes entrarão em um bambolê e irão ficar um de costas para o outro;

– Dois riscos a 2 metros de distância dos competidores serão feitos;

– As duplas precisam ultrapassar esses riscos;

– Ganha a dupla que conseguir atravessar a linha antes da outra.

Bets

– Mais um dos jogos e brincadeiras antigas que conseguiu perpetuar ao longo do tempo;

– O objetivo do jogo é completar 24 pontos (ou 20 ou o número de pontos estipulado pelo grupo);

– Jogado geralmente em duplas;

– É necessário 4 jogadores, 2 tacos (uma para cada de uma dupla) ou 2 cabos de vassoura. Assim como uma bola de tênis e duas garrafas Pet cheias de água, areia ou pedra;

– Sorteiam-se quem vai ficar com os tacos e quem ficará com a bola.

– Colocam-se as garrafas a 10 passos de distância uma da outra, ou seja, cada garrafa em um lado;

– Os jogadores que estão com a bola arremessam-na em direção as garrafas para derrubá-las. Os jogadores com os tacos devem protegê-la jogando a bola para longe;

– A partir disso, depois de rebater a bola, a dupla dos tacos correm da garrafa que estavam em direção a outra trocando de posição;

– Cada vez que a dupla dos tacos se cruza marcam pontos (10 em 10, 12 em 12…);

– A dupla da bola precisa alcançá-la o mais rápido e tentar derrubar a garrafa antes da outra equipe somar o total de pontos do jogo;

– Caso consiga acertar uma das garrafas, as duplas trocam de posição, sendo que os jogadores da bola irão arremessá-la longe para os outros dois irem busca-la. Desta forma eles marcam pontos;

– Ganha quem fizer o número total de pontos primeiro.

Bobinho

– Pode ser brincado com os pés ou com as mãos;

– Um círculo é feito e há um participante no centro;

– Com uma bola, os demais jogares que formaram o círculo e jogam um para o outro não deixando o bobinho pegá-la;

– Caso o jogador do centro consiga pegá-la, o último a tocá-la será o novo bobinho.

 Boliche Cego

– Formam-se equipes;

– Os jogadores jogam com os olhos fechados;

– O objetivo da brincadeira é acertar até o último pino com os participantes vendados;

– Ganha quem conseguir derrubá-los.

 Cabo de Guerra

– Um dos jogos e brincadeiras muito utilizados em gincanas escolares;

– Ele é dividido em 2 equipes;

– Precisa-se de uma corda grande, na qual uma fita colorida irá marca o meio desta;

– O objetivo é puxar a equipe adversária até o seu campo;

– Ganha quem fizer o outro grupo atravessar a divisória do campo.

Caçador

– Dividido em 2 grupos, um será o caçador e o outro caça;

– Separados por riscos que delimitam o campo de cada um, os caçadores terão uma bola e precisarão jogá-la na caça;

– Se os jogadores/caça forem atingidos e não segurarem a bola para ela não cair no chão, eles sairão do jogo;

– Quando todas as caças forem abatidas inverte-se os papéis.

Cama de Gato

– Um dos jogos e brincadeiras antigas feita com barbante, em que ele estará com as pontas amarradas formando um colar;

– As mãos dos participantes (mais de dois), ficaram dentro do círculo deixando o dedão de fora;

– O barbante precisa estar acima dos nós dos dedos, os cotovelos dobrados com os braços paralelos para formar um retângulo;

– A mão direita irá passar por debaixo da canhota para a linha ficar entre os dedos;

– Após repetir o mesmo processo, o dedo médio irá para baixo da linha formada na palma da mão e esticará o barbante novamente. Será feito com ambos os dedos médios;

– A partir disso a lateral do retângulo formará um X e os jogadores tentaram desenrolar a linha sem que ela desmonte o retângulo principal.

Cantigas de Roda

– A brincadeira consiste em formar um círculo/roda, dar as mãos às pessoas do lado e cantar uma música;

– Algumas músicas populares entre as crianças antigamente eram:

Fui no Tororó:

Fui no Tororó beber água não achei.

Achei foi a (nome de uma criança), que no Tororó deixei.

Aproveita minha gente, que uma noite não é nada.

Se não dormir agora, dormirá de madrugada.

Oh! (nome), Oh! (nome)zinha, entra nesta roda ou ficarás sozinha!

(A criança entra no meio da roda e canta).

Sozinha eu não fico e não devo ficar, pois eu chamo a (nome de outra criança) para ser meu par!

(A primeira criança volta para a roda, cantam todos novamente e a escolhida vai para o meio)

Alecrim Dourado:

Alecrim, Alecrim dourado

Que nasceu no campo

Sem ser semeado

Alecrim, Alecrim dourado

Que nasceu no campo

Sem ser semeado

Foi meu amor

Que me disse assim

Que a flor do campo é o alecrim

Foi meu amor

Que me disse assim

Que a flor do campo é o alecrim

 Carica

– Um jogo feito em duplas em campo aberto;

– No chão são desenhados vários círculos com a mesma distância (2m é o recomendado);

– Cada participante terá em mãos uma parte de um papel amassado e achatado (carica) e irá lançá-la para dentro do círculo mais próximo;

– O objetivo é acertar o papel dentro do círculo e ultrapassar um deles para ficar próximo do final;

– Caso a carica não caia dentro círculo ou se ela sair dele, o jogador terá que retornar ao início do jogo;

– Ganha que atingir o último círculo primeiro.

 Carnerinho/Carneirão

– Uma brincadeira feita em roda, na qual os participantes cantam;

– Música:

Carneirinho, carneirão, neirão, neirão,

Olhai pro chão, pro chão, pro chão.

(Toda a roda obedecendo olha para o céu e para o chão)

Manda o rei, Nosso Senhor, Senhor Senhor para nós nos sentarmos.

(Todos se levantam, e, sempre de mãos dadas, girando cantam o estribilho)

Para nós nos ajoelharmos

(Todos ajoelham e ajoelhados cantam o estribilho)

Ou para nós nos deitarmos

(Todos se deitam e deitados, bem espichados de costas no chão, com os pés para o centro da roda, cantam o estribilho)

Para nós nos levantarmos

(Na palavra levantarmos, do último verso, duas crianças, levantam-se, e, com ambos os braços bem estendidos, dão as mãos aos que estão deitados e vão se erguendo, um a um. Os que, ao serem erguidos, se conservam, são valentes; os que se dobram, são os mais fracos. A este a vaia dos valentes, e nessa, a conclusão da brincadeira)

Carrinho de Mão

– Um dos jogos e brincadeiras antigas que foi uma febre ente os jovens;

– Jogado entre duplas;

– Traça-se duas linhas no chão, uma de largada e outra de chegada;

– Os pares decidem quem será aquele que irá apoiar o corpo nas mãos no chão e esticará as pernas para o parceiro segurar;

– As duplas começaram a correr, após contarem até três, um com os pés e o outro com as mãos;

– Caso alguma das duplas caia no percurso, terá que retornar à linha de largada;

– Ganha quem ultrapassar a linha de chegada primeiro.

Chinelinho

– Após traçar duas linhas paralelas e distantes no chão, os jogadores se separam em dois grupos e cada um vai para uma dessas linhas;

– No centro é desenhado um círculo e nele disposto um chinelo ou outro objeto;

– Os participantes das duas equipes são enumerados com a quantidade de competidores. Caso haja algum desfalque, alguém do grupo receberá dois números;

– Um mestre comandará o jogo e, ao gritar um dos números, os jogadores do respectivo número terão que correr até o centro e pegar o chinelo para seu time sem ser tocado pelo adversário;

– Caso o jogador seja tocado pelo membro da equipe adversária quando estiver correndo, nenhum dos grupos ganha ponto;

– O grupo vai adquirindo pontos conforme os competidores do time pegam o chinelo;

– Ganha a equipe que atingir o total de pontos estipulado no início do jogo.

Cinco Marias

– A brincadeira consiste em jogar pedrinhas, pequenos sacos com areia ou bolas pequenas para o alto e pegar outra com a mesma mão sem deixar nenhuma cair;

– Fazer cinco sacos (caso opte por ele) com areia ou arroz e colocá-los no chão;

– Um dos participantes irá pegar um dos sacos e o jogará para o alto;

– À medida que a primeira não cai, o jogador pega outro saco e repete o movimento;

– Ganha quem conseguir pegar os 5 sacos sem deixa-lo cair no chão;

 Ciranda

– Uma brincadeira de roda, que consiste em rodopios dos participantes dispostos em um círculo;

– As pessoas cantam a música:

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar

Vamos dar a meia volta

Volta e meia vamos dar

 O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

 Corre Cotia

– Semelhante ao lenço atrás;

– A brincadeira é um jogo que os participantes fazem uma roda e sentam-se no chão;

– Uma pessoa que está fora do círculo, corre ao redor cantando:

Corre cotia

Na casa da tia

Corre cipó

Na casa da avó

Lencinho na mão

Caiu no chão

Moça(o) bonita(o) do meu coração

Corredor: Posso jogar?

Roda: Pode!

Corredor: Ninguém vai olhar?

Roda: Não!

– Após isso, os jogadores da roda abaixam a cabeça e fecham os olhos;

– O corredor que está com um lenço, meia ou algum objeto em mãos irá jogar atrás de alguém e esta pessoa terá que correr atrás;

– Se o corredor for pego, ele continuará cantando até achar uma nova pessoa para jogar o objeto. Caso contrário, terá que se sentar no lugar do jogador que deixou a peça cair.

Veja também no Portal AVôVó:

Brincadeiras ajudam os netos e relembram os Avós

 

AnteriorPróximo
Claudio Mello
O Avôvó é um portal colaborativo criado especialmente e inteiramente dedicado a um público cada vez mais conectado: a terceira idade. Aqui, não só o idoso se sente em casa. Nosso objetivo é também levar conteúdo relevante para familiares, amigos e profissionais que cuidam dessas gerações que chegam à melhor idade redefinindo conceitos e com cada vez mais interatividade e independência, mostrando que idade é só um número.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *